Category: Workout

Pizza, por norma, é sinónimo de junk food.

E se não for? Porque não tornar esta comida um prato saudável, mantendo todo o sabor e prazer do original?

Deixo-vos a receita da nossa pizza com base de quinoa.

O sabor está todo lá. Sejam criativos com o topping!

 

Base de Quinoa

  • 2 ½ chávenas de quinoa, (~400g)
  • 2 ½ Chávenas de água
  • 1 colher de sopa de fermento em pó 
  • 1 colher de sopa de alho picado 
  • 2 colheres de chá de sal
  • ¼ de chávena de parmesão ralado

 

Preparação

  1. Demolha a quinoa durante 8 horas.
  2. Aquece o forno a 200ºC. Coloca uma folha de papel vegetal num tabuleiro de ir ao forno e pincela com azeite.
  3. Passa a quinoa por água corrente e escorre bem.
  4. Num processador de comida junta a quinoa, 1 chávena de água, o fermento em pó, o alho picado, o sal e o parmesão. Tritura até formar uma massa homogénea.
  5. Despeja a massa no papel vegetal e distribui bem com a ajuda de uma espátula.
  6. Leva ao formo durante 15 minutos. De seguida vira a base da pizza removendo o papel vegetel, de forma a cozer bem dos dois lados. Cozinha mais 10 minutos.
  7. Retira a a base de pizza do forno e decora ao teu gosto.
  8. Eu fiz com molho de tomate com tomilho e cebola, queijo cheddar, cogumelos shitake, tomate cherry, rucula e parmesão.
  9. Leva ao forno mais 5 a 10 minutos até o queijo começar a borbulhar
  10. Bom proveito!

 

História da Carochinha.

Era uma vez uma linda Carochinha que queria muito casar mas precisava emagrecer. Um dia, viu no FB que devia treinar cardio.
Muito contente, a Carochinha sacou uma app e foi treinar cardio, mas custava-lhe muito manter a motivação e a disciplina. Arranjava desculpas e punha sempre alguma coisa à frente do treino.
Então, deixou a app e inscreveu-se num ginásio, pensou que com a motivação das aulas de grupo ia conseguir manter-se regular no treino. Conseguiu durante uns tempos. Mas passadas 2 ou 3 semanas, sentia que era um esforço enorme, que tinha que despender muito tempo para ir ao ginásio, estava com muito trabalho e não conseguia conciliar.
Foi lamentar-se para a janela:
-Quem tem uma solução para a Carochinha, que quer ficar magrinha?
-Tenho eu!
-E quem és tu?–perguntou a Carochinha.
-Eu vendo dietas ABC.
-Vou emagrecer com a dieta ABC?
-Vais ficar espectacular!
Mas não ficou. A Carochinha continuava com o mesmo peso mas agora com mais fome.
Voltou à janela:
-Quem tem solução para a Carochinha, que quer ficar magrinha?
-Tenho eu! – disse alguém que passava por ali
-E qual é a tua solução? – perguntou a Carochinha.
-Tens de cortar com os hidratos.
-E funciona?
-Se funciona!
Não funcionou! Continuava igual, embora mais desanimada e com uma súbita vontade de comer doces. Comia e ficava com peso na consciência.
Quase a achar que ser feliz com o seu corpo não era para ela, foi mais uma vez para a janela:
-Quem tem uma solução para a Carochinha, que quer ficar magrinha?
-Tenho eu!
-E quem és tu?–perguntou a Carochinha.
-Eu sou atleta e todos sabem que para perder peso é preciso correr!
A Carochinha comprou equipamento topo de gama e foi correr todos os dias. Continuava quase igual, perdeu algum peso mas tinha fome e dores nas articulações.
Voltou para a janela, a sentir que ser saudável não a fazia sentir-se bem e era muito difícil.
-Quem tem uma solução para a Carochinha?
-Tenho eu!
-Quem és tu?
-Vendo suplementos e batidos, e tenho aqui uns brutais!
Ela tomou todos. Resultados é que nem vê-los. Sentia-se cada vez pior e mais desmotivada.
Voltou à janela, sem grande esperança de encontrar uma solução:
-Quem tem uma solução para a Carochinha, que quer ficar magrinha?
-Tenho EU!
-Quem és tu? – perguntou a Carochinha.
-Eu sou Fisiologista do Exercício e vou ajudar-te a implementares na tua vida hábitos saudáveis que te vão levar aos resultados que queres.
-Hummm… então diz lá o que tenho que fazer?
-Tens que parar de inventar desculpas, fazeres coisas simples todos os dias que correspondem à forma como te queres sentir. Tens que estar mesmo comprometida com isso, contigo e em seres feliz contigo mesma. A tua motivação irá ser uma consequência do teu nível de envolvimento. É como um músculo que se treina!
Para perderes peso de forma saudável tens de comer de forma natural e de preferência alimentos sem rótulo, tens que fazer treino de força de curta duração e maior intensidade, adequado à tua tipologia hormonal enquanto mulher e descansar mais. De preferência deitares-te o mais cedo que conseguires e treinares de manhã.
Se seguires o meu plano vais ver que consegues emagrecer, sentires-te com mais energia e feliz contigo mesma.
A Carochinha olhou para ele e disse, mas assim…mas assim eu sinto que posso conseguir… já não tenho medo de me perder…

Link para um final feliz!

 

Mafalda

#letsbeprettyfit #mafaldaantunespersonaltrainer #coaching

Este conteúdo é de acesso exclusivo a utilizadores registados.

Para aceder a este e outro conteúdo exclusivo, por favor faça o seu registo em My PrettyFit. 

Há já algum tempo que não fazíamos isto. Por malas e miúdas no carro e ir.

É certo que a preparação é inevitavelmente acompanhada de stress dos pais, birras das filhas e choro das bebés. Faz parte e aprendemos cada vez melhor a lidar com essas situações.
Tudo fica bem quando o carro arranca (às vezes demora algum tempo até deixar de se ouvir choro ou o nariz a fungar). Nada se compara à sensação de viajar, ir conhecer novos sítios e novas gentes. Mesmo que seja perto, mesmo que passe rápido.

Foi assim desta vez. Rumámos a Sul em direcção à Zambujeira do Mar.
A Costa Vicentina não nos é desconhecida. Passámos aqui grande parte dos Verões com os amigos a acampar, nos festivais, a explorar todas as praias desta costa magnífica. De Sagres a Sines varremos tudo.
Este verão tivemos oportunidade de mostrar um pouco desta nossa paixão às nossas filhas e foi mais que maravilhoso. (ver post anterior)

Nesta viagem fomos menos aventureiros, sem prescindir do contacto com a natureza e de tudo aquilo que de bom ela nos dá. Fomos conhecer um dos sítios que estava na nossa “To Do List” há muito tempo mas que por um motivo ou por outro nunca tínhamos concretizado. Fomos ao Zmar.

Aqui tudo é bonito. As casas de madeira, os caminhos, o verde, o lago, os animais e a forma como tudo está em sintonia transmitindo uma calma e tranquilidade que já nos fazia falta.
Depois de nos entregarem a chave de casa para os próximos dias fomos descarregar malas e bagagens e dar lanches que as reclamações estavam a intensificar o tom.
Para gáudio da Francisca havia um cesto de fruta em cima da mesa que prontamente tomou como dela.

O Zmar é um sitio onde a paisagem, o silêncio, o conforto da madeira e a sensação de amplitude e liberdade fazem-nos sentir que está tudo bem. As crianças andam felizes com os bichos, o estar ao ar livre e o saltar por cima das poças de lama. O que nos faz pensar que provavelmente não trouxemos mudas de roupa suficientes…

Como já era final de tarde fizemos um pequeno reconhecimento e fomos jantar a Vila Nova de Milfontes.
Como somos muitos, já estamos habituados aos olhares das outras pessoas e aos mais variados tipos de comentários que vão desde o “que maravilha” até ao “Deus me livre”.
No restaurante, não foi diferente mas sente-se a vontade genuína de querer interagir, falar, e perceber como conseguimos dar conta desta malta toda. Talvez a época baixa, com menos turistas e confusão proporcione este tipo de interacção boa.

Depois de uma noite em que todos retemperaram energias, e até as bebés dormiram mais tempo, abrir a cortina da enorme janela com vista para o lago é qualquer coisa de maravilhoso. Apetece ficar ali a olhar, a ver os burros beber água no lago e a ouvir o barulho dos patos. Mas vamos vestir que dormir até tarde é bom mas abre o apetite e hoje o pai não precisa cozinhar.

Uma das questões que me colocam frequentemente é sobre como comer saudável fora de casa. Esta tarefa consegue ser um desafio enorme. Sobretudo nas férias em que todo o estar proporciona momentos de indulgencia e a tentação de ceder ao estar social ou à falta de opções nos levam a escolhas menos boas.
Não foi o caso. Mega pequeno almoço buffet com fruta, bebidas vegetais sem açúcar adicionado, ovos de várias maneiras, tomate, queijo fresco e outras opções saudáveis.

Quando de seguida dissemos às miúdas que íamos à piscina, a reacção foi um misto de “coisa maravilhosa” com um “está a chover imenso”! Depois de lhes mostrar a piscina aquecida, de ondas, indoor, que ainda tem um parque infantil onde podem andar de fato de banho, instalou-se o frenesim.

A piscina foi quase de uso exclusivo para elas, tiveram de a partilhar com outras duas meninas da mesma idade com quem, apesar de só falarem inglês travaram amizade. A infância por vezes lembra-nos a simplicidade das coisas.
Foi uma barrigada de mergulhos, pirolitos e lábios roxos que durou até à hora de almoço.

Secos, vestidos e agasalhados fomos ver o que o Chef Carlos Bernardo tinha preparado especialmente para o nosso almoço em família Zmar.
Confeccionado com produtos locais e da época, tudo tinha como base a batata doce.
Desde a sopa até às sobremesas, tudo foi confeccionado com batata doce e tudo estava maravilhoso.

O resto do dia foi passado no sofá entre desenhos animados e brincadeiras, com direito a um pequeno passeio nocturno para sentir o frio na cara e o silêncio do campo. Priceless.

No dia seguinte fomos brindados por um magnifico dia de sol o que permitiu um passeio à quinta pedagógica para ver os animais e ao mega parque infantil todo construído em madeira.
No Zmar sente-se que o cuidado e o respeito pela Natureza estão sempre presentes. E sabe tão bem mostrar isso às nossas crianças.

Chegada a hora de ir embora, quando passamos o pórtico do Zmar, vamos de coração cheio do tempo que passámos juntos em família e com nova energia para encararmos o nosso dia-a-dia. Regressamos a casa com a certeza que um dia vamos voltar aqui.

Mafalda

#letsbeprettyfit #mafaldaantunespersonaltrainer #mafaldaantunescoach #onossozmar

Tenho por hábito ter vários tipos de pesto no frigorífico.

São óptimas soluções para preparar refeições rápidas, saborosas, coloridas e nutritivas.

Os pestos que vos mostro são dois dos meus favoritos: Espinafres e Beterraba.

Espero que gostem.

Pesto de Espinafres

  • 50g de parmesão
  • 200g de espinafres
  • 50g de coentros
  • 30g de pinhões (ou nozes)
  • 100g de azeite
  • sal a gosto
  • 1 dente de alho

Triture todos os ingredientes num robot de cozinha até ficam com a consistência desejada. No final rectifique o tempero caso seja necessário.

Pesto de Beterraba

  • 2 beterrabas cozidas e descascadas
  • 1 chávena de café de sementes de girasol
  • 1 dente de alho
  • 1/2 chávena de café de azeite
  • vinagre de cidra a gosto (aprox. 1/2 chávena de café)
  • Sal a gosto
  1. Torrar as sementes de girassol
  2. Reduzir as sementes a pasta num robot de cozinha.
  3. Juntar o alho e a beterraba e reduzir a puré.
  4. Temperar com azeite, vinagre e sal.

Os pestos podem ser guardados no frigorífico durante bastante tempo desde que bem fechado e coberto de azeite.

Enjoy! 🙂

Mafalda

#letsbeprettyfit #mafaldaantunespersonaltrainer #mafaldaantunescoach

Quando se fala de sustentabilidade a ferramenta mais poderosa que me me ocorre que temos diariamente nas nossas mãos são o garfo e a faca.
Mudarmos de forma colectiva os nossos hábitos para uma alimentação baseada em plantas é hoje incontornável se queremos falar de facto em sustentabilidade e saúde.
Não estou a falar em regime de exclusividade, nem é o propósito desta publicação defender nenhum regime alimentar em exclusivo, até porque como sabem cá em casa não excluímos na totalidade produtos de origem animal.

Ainda assim tenho sempre presente 2 factores nas escolhas alimentares que faço diariamente:

  1. As refeições que escolho e planeio para a minha família são momentos poderosos de mudança para um Mundo melhor e mais sustentável.
  2. “Food is the code that programs your biology. You can literally upgrade or downgrade your biological software with every single bite.” – Dr. Mark Hyman

Ora depois destes pressupostos vêem as minhas filhas… com aquelas perguntas simples e inocentes que me fazem pensar em todos os detalhes das respostas que lhes dou.

A Maria Inês aprendeu na escola uma série de coisas que “fazem mal ao planeta Terra”. Desde então leva muito a sério todas as práticas que podem tornar este mundo melhor. Isso inclui prescindir de sua iniciativa própria beber o sumo com palhinhas de plástico quando vamos a um café, assim como trazer lixo da praia!
Parece um gesto simples de uma criança, mas muito poderoso, pois é imitado logo ali no momento pela Francisca (ainda sem perceber bem porquê, mas imita).

Cá em casa este tipo de comportamentos ecológicos, sustentáveis e no final de contas… cívicos, sempre foram uma preocupação. É certo que cada vez os comportamentos são melhores, mais conscientes, consistentes e eficazes.

Estou sempre a aprender e de facto o #desperdíciozero é uma aprendizagem contínua.

De uma forma muito fluída, a decisão de recusar uma palhinha hoje pode induzir um conjunto de acções amanhã. Isto porque o nosso conhecimento aumenta e poupar uma palhinha só não chega. É preciso recusar, reduzir, reutilizar, reciclar e decompor (este último ainda está em falta, mas lá chegaremos).

Com estes princípios em mente as minhas escolhas do dia-a-dia são cada vez melhores para todos individualmente, para a saúde e orçamento familiar e também para o planeta… preocupação base da Mª Inês!

Nas minhas pesquisas de alternativas aos produtos convencionais encontrei a Organiko, uma loja online portuguesa e amiga do ambiente, com produtos eco-friendly, manufaturados de forma 100% natural e ecologicamente sustentável.

Deixo-vos os algumas das minhas escolhas e mudanças sustentáveis que temos feito cá em casa nos últimos tempos. Pequenos passos com enorme significado.

  • Pasta de dentes natural e orgânica – Certificação Vegan e PETA Cruelty-Free, Ótima solução Desperdício-Zero: Embalagem de vidro, reciclável e reutilizável, Invólucro biodegradável de polpa de madeira, Espátula doseadora de bambu.
  • Escova de dentes em bambu – A pega é feita de moso-bambu, enquanto que as cerdas são à base de plantas e com matérias-primas renováveis: óleo de rícino, sem BPA e sem petróleo. O óleo de rícino é um produto natural derivado das sementes da árvore milagrosa (Ricinus communis). O cabo da escova é biodegradável,  livre de plástico e é composto 100% de bamboo, a planta com o mais rápido crescimento na terra e naturalmente antibacteriana. As tintas usadas são naturais e ecológicas.
  • Discos desmaquilhantes – em tecido lavável e reutilizáveis.
  • Detergente para a loiça – produzido com óleo essencial de laranjas cultivadas organicamente. Biodegradável, não faz mal ao ambiente, nem à pele. Sem ingredientes de origem animal, não testado em animais, sem SLS, EDTA, fosfatos, abrilhantadores, parabenos, fósforo, corantes.
  • Detergente para a roupa – de origem vegetal e matérias-primas provenientes da agricultura biológica. É biodegradável, sem ingredientes de origem animal, não testado em animais, sem SLS, EDTA, fosfatos, abrilhantadores, parabenos, fósforo, corantes.
  • Não uso de toalhitas descartáveis com as bebés. Tenho toalhitas de pano laváveis e reutilizáveis.
  • Por último, e voltando ao início, a proveniência das minhas escolhas alimentares interessa-me muito, pela minha saúde, da minha família e do planeta! Por isso prefiro origem biológica sempre.

Com todas estas escolhas não deixo de ter que gerir o orçamento da minha família, pelo que esta preocupação de sustentabilidade não se traduz na escolha de produtos mais caros.
Embora não se deva esquecer que vai sempre haver mais barato… resta saber a que custo para todos.

Visitem a Organiko para saber mais sobre estes e outros produtos  e façam as vossas escolhas sustentáveis. Eu dou uma ajuda com o meu código de desconto MFLD10. (10%de desconto em compras superiores a 20€)

Mafalda Antunes

#letsbeprettyft #mafaldaantunespersonaltrainer

 

 

Um Life Hack é por definição um método simples, um truque ou um atalho que torna o dia-a-dia mais simples ou produtivo. Este que partilho convosco é dos meus preferidos. (mais…)

Ontem realizou-se em Lisboa o evento Wanderlust 108.

1 =  União  0 = Totalidade  8 = Amor Infinito

O Wanderlust 108 é a celebração do movimento mindful com um triatlo diferente. Três atividades que se complementam: uma corrida de 5km, uma aula de yoga ao ar livre e meditação guiada. Depois do triatlo, todo um conjunto de actividades nos Jardins da Fundação EDP como Acroyoga, Aerial Yoga, Hoola-Hoop, entre outras.

Professores de referência nacional, lideres de opinião, chefs e talento musical, num dia cheio de diversão e sorrisos, em cima e fora do tapete. Desde DJ’s no palco principal à comida orgânica e uma seleção de produtos e ofícios variados, este foi um dia para praticar, conhecer e aprender.

Neste contexto, fui convidada para estar no espaço Speakeasy para falar sobre a importância do yoga na prática de outros desportos.
Como personal trainer e coach muitas vezes recorro à prescrição desta modalidade, pois traz inúmeros benefícios indirectos quer na preparação física de atletas quer em planos de emagrecimento. Por emagrecimento entenda-se aqui não apenas a perda de peso, mas quem quer melhorar a sua composição corporal através da diminuição da massa gorda.
Reduzir o stress, ser mais presente, menos crítico e mais atento são conceitos muito falados nos dias que correm e importantes variáveis a ter em consideração na prescrição de exercício. Muitas vezes a resposta à incapacidade de se atingir determinados resultados de treino pretendidos não está nos parâmetros mais óbvios.
A atenção plena, tão falada nos dias que correm e muito praticada em modalidades como o yoga, é mais uma boa prática do que apenas uma boa ideia.
O que quero com isto dizer é que estar mais presente, criar um tempo para sentir o corpo, dar espaço para o cérebro perceber que sensações tem e que emoções está a viver no momento é uma prática de extrema importância no Mundo frenético que vivemos, no treino e fora dele.

Muitas pessoas por não estarem habituadas a ter tempo para si, acham tão “estranho” ou difícil esta prática da atenção plena. Ela não nega o desejo natural do cérebro resolver problemas. Simplesmente nos dá mais espaço para encontrar melhores formas de os resolver. Uns de uma forma naturalmente mais intuitiva e ligada às emoções, outros de forma lógica e assertiva.

Esta é uma das razões pelas quais a prática do yoga pode ter um papel determinante na preparação física para outras modalidades e até mesmo em planos de emagrecimento.
O aumento do stress implica o aumento da produção de uma hormona – o cortisol – que implica uma maior dificuldade em utilizar a gordura como fonte de energia. Gordura essa tão indesejada para quem quer emagrecer!
Por esta razão, o yoga pode ter um papel determinante na redução dos níveis de stress em planos de emagrecimento, de atletas em overtraining ou de pessoas “normais” que diariamente têm comportamentos de exercício e alimentação saudáveis, mas que não conseguem atingir os resultados que pretendem.
Muitas vezes, apesar das boas escolhas, entramos numa monotonia de prescrição de exercício físico “stressante” para os resultados que se pretendem atingir.
Reduzir os níveis de stress é também uma poderosa ferramenta para melhorar a sensibilidade à insulina.
Outro factor que importa neste contexto realçar é a importância do descanso. Esta é uma variável de treino muitas vezes descuidada, embora muito importante.
Todas as adaptações importantes de uma boa prescrição de exercício são no descanso que acontecem:
  • Renovação e reparação celular,
  • Restabelecer a circulação sanguínea
  • Aumentar a concentração de O2
  • Equilíbrio do pH
  • Remoção de metabolitos
  • Aumento das reservas de energia do músculo
Por todas estas razões, pela necessidade cada vez mais eminente de estarmos bem de dentro para fora, e porque o único lugar onde vivemos é o nosso corpo o exercício físico é sem dúvida um pilar determinante na qualidade de vida e na saúde. Seja que tipo de exercício for, incluíndo yoga!

Estes hambúrgueres de feijão e quinoa são daqueles pratos vencedores de que todos gostam cá em casa.

Fáceis de fazer, super saciantes e saborosos. Podemos sempre fazer a mais e guardar no frigorifico ou congelar para aqueles dias em que falta a imaginação.

Costumo acompanhar com uma salada de “verdes” e laranja uma vez que a quinoa e o feijão são ricos em ferro e a laranja melhora a sua absorção.

Deixo-vos a receita.

Bom apetite

 

Ingredientes

  • ½ chávena de feijão vermelho cozido
  • ½ chávena de quinoa cozida
  • 2 colheres de sopa de tomate seco picado
  • 1 colher de sopa de farinha de coco
  • 1 colher de sopa de farinha de arroz
  • sal e pimenta a gosto

 

Preparação

  1. Coloca a quinoa e o feijão no processador e tritura até ficar uma pasta homogénea.
  2. Transfere para uma taça, junta as farinhas e tempera com sal e especiarias.
  3. Mistura tudo e molda os hambúrgueres.
  4. Numa frigideira antiaderente coloca um fio de azeite e frita os hambúrgueres dos dois lados até ficarem tostados

A ideia surgiu das manas mais velhas que desde que a escola terminou, volta e meia nos perguntam se podemos ir acampar?!

Disparei a pergunta: “E se fossemos acampar?”

O Rui fez aquela cara que é um misto de “Estou tramado” com “Será que ela está a falar a sério?”. Eu estava a falar a sério!

Acampar não é novidade para nós. Já o fizemos muito enquanto super jovens, fizemos com a Maria Inês quando ela tinha 1 ano e meio, acampámos com as mais velhas no ano passado e agora foi a vez de experimentar-mos em formato meia dúzia.

Se é verdade que A D O RA M O S as férias no conforto de um turismo rural, o campismo permite-nos uma saída verdadeira de todas as rotinas a que estamos habituados. Conseguimos colocar em perspectiva facilmente o que é de facto essencial para estarmos bem e a criatividade do que podemos fazer e usufruir em família é super estimulada! Por todas estas razões e também pelo fascínio das nossas filhas com todo o envolvimento de dormirmos todos numa tenda, fazermos picnics e todo o espírito de aventura presente, achamos muito valiosa esta experiência para as nossas filhas e família.
Experienciar a quebra de todas as rotinas estabelecidas, a sensação de urgência implícita que todos temos ao final da tarde de que há que sair de praia para tomar banho e jantar… quando afinal temos o jantar e tudo o que precisamos ali para poder ficar a ver o por do sol e a contar as estrelas, num picnic na praia à noite! Se há dias em que os banhos das crianças podem ficar para 2º plano são estes.

Depois de nos habituar-mos à ideia era preciso estabelecer algumas regras para que fosse viável esta aventura e sobretudo para que não se transformasse num inferno de desconforto.

Em primeiro lugar era necessário garantir que não levávamos a casa às costas até porque o carro (ao contrário do que possa parecer) não é grande! J

Decidimos levar um trolley com a roupa de todos (dos 6) e foi mais do que suficiente. De férias, levamos sempre aquela(s) roupa(s) a mais para aquela ocasião que pode ou não acontecer e a verdade é que há roupa que volta de férias exatamente como foi, mas com mais vincos. Como o objectivo era passarmos apenas 2 ou 3 dias foi mais fácil cortar com os excessos de roupa.

Quanto à alimentação o desafio era outro e prendia-se com comer saudável e com a comida das bebés. Aqui o desafio também foi superado. J

 

Os planos iniciais eram sair de casa no Sábado a seguir ao pequeno almoço. Saímos às 7 da tarde!

Entre dar comida aos bebés, adormece-los, fazer o nosso almoço, preparar comida para levar, arrumar sacos, conferir tenda e colchões o dia começou a fugir-nos por entre os dedos e a certa altura decidimos levar a coisa de forma tranquila. Deu para tudo, até para mergulhos na piscina ainda em casa.

Quando estava tudo pronto e a opção era ir já ou no dia seguinte de manhã, o vislumbre de que o dia seguinte podia ser igual, fez-nos decidir sem hesitar: “É já!”. E fomos.

Antes de rumarmos a sul, tínhamos ainda de cumprir 2 tarefas fundamentais: comprar mais um colchão insuflável, e ir buscar o novo carrinho de bengala para as gémeas.

Já na A2, o drama que vinha da terceira fila de bancos obrigou-nos a parar na estação de serviço para alimentar as bebés. Assunto resolvido e fizemo-nos novamente à estrada.

Passados 1,5km, mais coisa menos coisa, foi a segunda fila de bancos a alertar-nos para as horas de jantar. Sabendo que fora de Lisboa as cozinhas dos restaurantes fecham mais cedo, optámos por sair em Alcácer e procurar um sitio para comer. Entre cozinhas fechadas e restaurantes à pinha lá encontra-mos um sitio onde comemos e conseguimos sair praticamente ilesos do ataque de melgas que estava a ter lugar naquele preciso momento em Alcácer.

Agora sim. Com todas as faixas etárias devidamente alimentadas, lá fomos nós para o nosso destino: Parque de Campismo da Galé.

É óbvio que já chegamos depois de o parque fechar o check-in, por isso procuramos um sitio onde pudéssemos dormir no carro. Encontramos a praia de Melides onde pernoitam dezenas de autocaravanas e dormimos o melhor que conseguimos. (nem foi mau de todo, já dormi menos em casa e com menos espaço em aviões)

A alvorada para um nascer do sol fantástico foi dada pela Beatriz. As restantes manas foram acordando aos poucos. Decidimos levar a manta e a lancheira e ir tomar o pequeno almoço na praia completamente vazia. Foi maravilhoso.

Pequeno almoço tomado era hora de montar arraiais no parque de campismo.

Escolhemos um sítio à sombra e montámos acampamento com a ajuda das mais velhas que em 5 minutos ficaram tão sujas como um limpa chaminés!

O resto do dia foi na praia de Pego uma das nossas preferidas.

Saímos do pego para jantar na praia da Aberta Nova onde existem umas mesas de madeira que dão apoio às autocaravanas que por ali pernoitam. Jantámos em formato pic nic com uma vista fantástica sobre a praia e um por do sol magnifíco.

Regressámos ao acampamento com as miúdas todas a dormir depois de um dia pleno de novas sensações e aventuras. Foi só passa-las do carro para o colchão e dar beijinhos de boa noite.

No dia seguinte a rainha das alvoradas, Beatriz de seu nome, voltou a brilhar! Desta vez eu acho que brilhou para nós e para as tendas ao nosso redor.

Tomado o pequeno almoço foi altura de eu ir tomar banho com as mais velhas enquanto o Rui levantou acampamento com as mais novas. Assim podíamos aproveitar o dia sem nos preocuparmos com regressar ao parque para fazer o check out.

Seguimos para a praia do Carvalhal com uma surpresa para a Maria Inês. Uma amiga de escola que estava a passar férias em Grândola foi passar o dia connosco.

Dia de barriga cheia de brincadeiras e matar de saudades para as miúdas.

 

Regressámos a tempo de jantar em casa. A Francisca saltou esta refeição. Não era necessária porque nestes dias o alimento foi outro. Foi emocional, encheu a barriga e o coração. Fez-nos crescer e ficar mais fortes enquanto família. Ensinou-nos o que é essencial para estarmos bem e a superar birras, cansaço e más disposições. Aos miúdos e graúdos.

 

No final desta aventura o balanço é super positivo. É uma experiência a repetir que da próxima vez vai ser ainda melhor. A única coisa que precisamos é estar juntos os seis. O resto, o amor resolve.

 

Lista para campismo:

  • tenda
  • 2 colchões insufláveis de casal
  • lanterna
  • 4 lençóis de casal
  • 2 mantas

 

Lista de Roupa por pessoa:

  • 2 calções
  • 4 t-shirts
  • 2 bikinis
  • 1chinelos
  • 1 ténis
  • 4 pano de praia (são mais leves e práticos que as toalhas, ocupam menos espaço)
  • 1 pano de praia daqueles GRANDES para os bebés

Lista de comida bebés:

  • Sopas em copos individuais
  • Sopas em doses individuais nos Doodle Bags
  • Puré de fruta em doses individuais nos Doodle Bags
  • Papas em doses individuais nos Doodle Bags
  • Leite vegetal

Ementa dos “4 crescidos”